O IVA

Em conversa sobre um imposto que a generalidade das pessoas suporta todos os dias numa colaboração com a Delegação do Algarve da Ordem dos Economistas e a emissora de rádio Solar FM… (áudio no final)

O IVA é um imposto que nos toca a todos uma vez que de alguma forma somos consumidores.

Embora o encargo seja de quem consuma, é ao operador económico que vende bens ou presta serviços que cabe a obrigação de entregar o imposto devido ao Estado, iniciando-se assim uma relação de confiança entre estes dois. 

O ónus da correcta aplicação das taxas, do correcto tratamento e posterior depósito nos cofres do Estado do imposto gerado pelo nosso consumo é de quem opera económicamente, ou seja, das lojas, dos retaurantes, dos hotéis, etc. 

Este é um imposto cego às condições económicas de quem consome, tendo apenas em conta aquilo que se está a adquirir. Poder-se-ia dizer que a despenalização de bens considerados essenciais ocorre por via da aplicação de taxas diferenciadas uma vez que existem disponíveis as taxas mais baixas de 6% e 13%, mas quando se tem a electricidade à taxa normal de 23% essa fundamentação cai por terra. 

Embora existam casos de isenções, a essência do IVA é de tributar os bens e serviços em todas as fases de cada cadeia de valor sem que se tribute o que já foi considerado para trás, ou seja, é um imposo plurifásico e não cumulativo. Basicamente pretende-se tributar a margem que se coloca em cada operação. Para que isto seja possível o operador económico aplica o método de crédito onde pode abater ao valor recebido do consumidor o IVA incluído no preço dos bens e serviços que precisou adquirir ou incorporar na produção para posteriormente comercializar ou prestar o serviço.

Por esta lógica, regra geral, é natural que resulte um valor a entregar ao Estado. Porém este método pode originar situações de imposto a favor do sujeito passivo, o que ocorre por exemplo quando a taxa a aplicar na venda ou na prestação do serviço é inferior às taxas aplicadas nas aquisições a montante. Caso de um alojamento local que está sujeito à taxa reduzida de 6% de IVA e que pode deduzir o imposto que consta das facturas emitidas pelos seus fornecedores que maioritariamente estão sujeitos à taxa normal de 23%, é desta diferença aparentemente simples que resulta um valor a receber e não a pagar.  

No entanto, de notar que este mecanismo de liquidação/dedução pode conduzir a dissabores quando não se conhece bem o código do IVA porque este está repleto de regras e limitações às deduções que podem conduzir a correcções oficiosas e aplicação de coimas quando o sujeito passivo não está à espera. Por exemplo, voltando ao alojamento local, muitas vezes desconhece-se o facto de só se poder deduzir uma parte do iva das despesas ocorridas quando o imóvel também é utilizado para o arrendamento tradicional, isto salvo excepção de renuncia à isenção. 

Especial cuidado numa altura em que se pretende facilitar o apuramento deste imposto através de ferramentas de preenchimento automático disponibilizadas pela Autoridade Tributária, caso para lembrar que o desconhecimento da lei não aproveita a ninguém. Votos de continuação de bom dia e de bons negócios. 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Usamos cookies para oferecer a melhor experiência on-line. Ao concordar, aceita o uso de cookies de acordo com nossa política de cookies.

Privacy Settings saved!
Configurações de Privacidade

Quando visita qualquer site, pode guardar ou recuperar informação no seu navegador, maioritariamente na forma de cookies. Controle as suas configurações de cookies deste sítio aqui.

REJEITAR TUDO
ACEITAR TUDO